Ourinhos,
Anuncie Aqui | Fale Conosco | Notícias no What’s (14) 99637-3212

Postado em 13/05/2022 às 00:11

Por João Neto: Bailinhos em Ourinhos

    0205479001652411711.jpg

Nos anos 70, antes da febre dos clubes sociais e dançantes: Palmeirinha, Reunidos, Grêmio, Ourinhense, Terríveis, Centro Comunitário, CSU, entre outros, a saída pra nós, jovens e pobres, era os “bailinhos de garagem”!

Antes que os mais novos perguntem: 

- O que é essa “bagaça” de bailinhos de garagem?

Explico: “bailinho de garagem” era uma brincadeira dançante, na casa de alguma menina, literalmente na garagem da residência, ao som de um questionável aparelho de som chamado Sonata e uma meia dúzia de LP’s românticos, enfim, W’ere All Alone, Sailing, When You’re Gone, I’D Love You to Me, Flying, Do You Wanna Dance, e um monte de músicas que a gente não entendia nada mas nos fazia sofrer de amor!

Sempre “rolava” uma Cuba Libre ou Ponche, bebidas proibidas para menores, porém, permissíveis devido ao baixo teor alcoólico. Eu, que nunca bebi, ia de cara limpa mesmo!

A turma ali reunida era, geralmente, o pessoal da escola que, desde a quarta-feira, ficava engenhando o encontro de sábado.

As músicas citadas eram de fazer pica-pau sair do oco, e se a gente conseguisse dançar com a menina pretendida, dançava agarradinho... A gente viajava na canção e ficava falando banalidades no ouvido dela, sonhando o sonho da aceitação.

Antes, evidentemente, rolava a paquera e quando a coragem vinha era só chegar e perguntar:

- Quer dançar comigo? Sim, no melhor estilo Johnny Rivers: “Do you wanna dance?”

O problema era o horário, o pai colocava 10 da noite como limite... Exatamente às 10 ele desligava o som e ia cada um pra sua casa!

Problema maior era quando aparecia a rapaziada não convidada, geralmente de outro bairro... Aí o pau comia e a festa acabava.

Gente da Barra Funda não podia aparecer em “brincadeiras” na Vila Perino, rapaziada de Vila Margarida não podia aparecer na Boa Esperança... Na Vila Odilon era pior, se chegasse lá morríamos de tanto apanhar, eu e mais uns oito amigos morremos várias vezes por lá!

Mas o tempo passou... Passou a tempo da inocência, dos namoros limitados, das meninas que nos deram “tábua”, das que nos queriam e a gente queria outra, e outra, e outra!

Lembrança material daquele tempo apenas as canções, armazenadas em discos antigos que, volta e meia tocam nas rádios, no fim de noite, no melhor estilo "Love Songs"!

- Quer dançar comigo?

Este texto não é inédito e já havia sido publicado em 2021 em outro site.

Confira também:

Caldeirão de Feijão

A casa abandonada

Diamante Negro

A Escola do meu tempo

Quase Páscoa!

As luzes de Ourinhos

Um Anjo passou por aqui

A Última Reunião em Volta do Forno

A Oncinha Vai Te Pegar

O retorno ao Caló, quase 50 anos depois 

A mulher do sonho

40 anos da partida de Ourinhos

Este texto é do escritor João Neto, um escritor do cotidiano, foi rotulado, pelo crítico Lau Pacheco, como "piloto da caravela da saudade", em virtude do resgate de momentos vividos na infância e adolescência em Ourinhos. 

Após ter seu conto "Ainda Bem Que Você Veio" viralizado nas redes sociais, ficou conhecido em todo o Brasil. Publicou seu primeiro livro de contos e crônicas em 2019.

João Candido da Silva Neto nasceu em Santa Cruz do Rio Pardo (SP) e veio para Ourinhos com 7 anos em 1967. Ele atuou na COPEL (Cia Paranaense de Energia) onde aposentou-se em 2019. Em 2012 se tornou escritor, tendo seus contos e crônicas publicados semanalmente na Folha de Londrina.

Veja Também

 Mototaxista é assassinado por “colega” de trabalho no norte do Paraná
Quase 3 anos após assassinato do ator Rafael Miguel, Paulo Cupertino é preso em SP
ANS inclui opções de quimioterapia oral em seu rol de procedimentos
Expectativa de crescimento é comprovada nos números: Varejo têm aumento e empresários mostram otimismo
© 2019 - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por StrikeOn