Ourinhos,
Anuncie Aqui | Fale Conosco | Notícias no What’s (14) 99637-3212

Postado em 10/09/2020 às 00:48

Crônica do Vivan: Quando o cinema era luxo em Ourinhos

    0509125001599711205.jpeg

Cinema Era Luxo

Ir ao cinema era um luxo, nossas opções de entretenimento não eram muitas, mas, o pouco que tinha era de qualidade.

Eu já vinha deixando de ser criança e as aulas de catecismo vinham fazendo minha rotina mudar um pouco, como se não bastasse a escola que já vinha me afastando das ruas, interferindo nas minhas inserções mato à dentro na além-linha da Souza Soutelo, onde frequentávamos para caçar lagartos (na verdade calangos), nadar na “mininha”, apanhar mamonas e achar boas forquilhas, no mais era o que viesse. 

O período da tarde passou a ser ocupado à princípio dia sim dia não pelo catecismo, assim reduzindo ainda mais o meu tempo que vinha perdendo espaço para as novas atividades.

Mas começava uma nova fase, novas amizades, além dos já colegas de escola, paquerinhas, brincadeiras de salva e as missas aos domingos de manhã.

Depois da missa, tínhamos duas opções rotineiras, uma era o Clube do Papai Noel, programa infantil de calouros e variedades da Rádio Clube, que apesar do nome era produzido durante o ano, não me lembro exatamente o período, mas fugia da época do natal.

O outro era ir à matinê no Cine Ourinhos com os namorinhos ainda ingênuos, trocas de gibis e figurinhas, a compra de balas e doces na sortida cantina que além da irrecusável e única bala de café da dona Glorinha, esposa do gerente seu Romeu, tinha todo tipo de bala: cevada, anis, mel, ovos, menta, amendoim, conhaque, rum, whisky, toffe, Chita, 7 Belo, Paulistinha, Suzi (crocante, muito boa) e muitas outras, tinha caixinha de passas, Mentex e alguns outros confeitos, drops Dulcora sortido, de hortelã e os novos sabores, embrulhados um a um, cigarrinhos, moedas e tubo croquete de chocolate, chicletes em geral e muito mais.

O Cine Ourinhos funcionava no prédio que hoje abriga o Teatro Municipal Miguel Cury, na Rua Nove de Julho, 496, no Centro de Ourinhos (Foto: Arquivo Histórico)

As reposições das guloseimas durante a sessão, eram feitas pelo baleiro que era chamado de um lado para o outro, e também quem ficava para lá e para cá era o “lanterninha”, tentando identificar os baderneiros que quando localizados eram expulsos.

Formava-se fila para a água geladinha do bebedouro, a maioria de nós ainda tinha que subir no primeiro dos dois degraus da escadinha.

Depois do filme principal tinham os seriados, cada domingo um episódio e quando começava, batíamos o pé no assoalho de tábua, fazendo o maior tropé e assoviando usando papel de bala como uma espécie de paleta, produzindo um som muito estridente.

Já a matinê era para os adolescentes, mesmo porque a censura era rígida, os primeiros acessos eram sempre na tentativa de enganar os porteiros, dos quais o principal por muito tempo foi o seu Tufik, um homem muito gordo que depois virou vendedor de bilhetes de loteria.

Até atingir os doze anos e sair desta fase indefinida, já com a voz esganiçada e cheio de espinhas na cara, quando eu já poderia desfilar despreocupado nas sessões da tarde do cinema.

Era só acertar a namorada e falsificar a carteirinha de estudante para entrar nos filmes proibidos e impróprios, só que tinha que ser gradualmente, sem dar bandeira para o porteiro não desconfiar.

Até que inauguraram o Cine Peduti, mais amplo e moderno com um grande palco que recebeu eventos como o show do Toquinho e Vinícius e muitos outros, um festival regional de músicas e os melhores filmes passaram a ser exibidos em sua enorme tela.

Cine Peduti deu lugar ao que é hoje o Shopping Cinemarti, na esquina da Rua Arlindo Luz, 290, no Centro de Ourinhos (Foto: Arquivo Histórico)

Mas nós continuávamos frequentando as sessões noturnas do Cine Ourinhos, de preferência no "Puma" que era a parte superior com cadeiras numeradas e estofadas, no auge os ingressos eram vendidos com antecedência e ficavam expostos enroladinhos e enfiados nos furinhos com números em um tabuleiro.

Em 1949, o Cine Ourinhos já oferecia, aos sábados e domingos,  duas sessões noturnas às 19h30 e 21h30 e uma vesperal (domingo) às 14h15 (Foto: Arquivo Histórico)

Passou a ser boa opção para quando, já estudando à noite, matávamos aulas e chegávamos a assistir mais de uma vez o mesmo filme que na maioria das vezes era de "faroeste". Aproveitávamos também para matar as saudades dos velhos tempos e jogar balas na cabeça de quem estava assistindo no salão inferior.

Para quem viveu nesta época é impossível lembrar-se de tudo isso sem vir à cabeça a música que antecedia as sessões, para que as pessoas se acomodassem, as notícias de futebol narradas pelo canal 100, o sheeee para o condor voar e aquele bando de moleque fumando escondido no banheiro masculino.

Passou, o cinema entrou em uma fase de decadência à princípio pelo surgimento do vídeo cassete... e as mudanças de hábitos, assim o Peduti, após um período com aparência de semiabandonado, virou a galeria Cinemarti que começou contando com duas salas menores e modernas que atualmente são projetadas para fazer parte das praças de alimentação.

O Cine Ourinhos após ser apelidado pejorativamente de "Pulgueiro" hoje abriga o nosso maravilhoso Teatro Municipal.

O shopping recentemente inaugurado na cidade, dispõe de mais quatro salas de projeção.

Ainda tive notícias recentes que continuam entre nós o baleiro Ademir e o lanterninha Alfeu (Fefeu) que se irritava quando gritávamos seu apelido e nos colocava para fora.

Alfeu, um dos lanterninhas

Confira outras histórias. Cilque nas imagens:

Donos da Rua        Vendas e outros Comércios

       

 

Veja Também

Depois de avançar vacinação para os jovens, secretário de Saúde garante que não vai atrasar segunda dose em Ourinhos
Filho de 16 anos da cantora de forró Walkyria Santos é encontrado morto em casa
MP do Rio vai investigar site “Xvídeos” por suposta propaganda enganosa de pílulas para disfunção erétil
Ourinhos oferece vagas de emprego nesta terça-feira, 3 de agosto; confira
© 2019 - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por StrikeOn